Mensagem:

A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original.

The mind that opens to a new idea never returns to its original size.

Albert Einstein

.><((((º>.><((((º>.><((((º>..><((((º>.><((((º>.><((((º>.
Quando vamos até o fundo do mar, descobrimos que ali jamais poderíamos viver sozinhos.
Então levamos mais alguém.E esta pessoa, chamada de dupla, companheiro ou simplesmente amigo, passa a ser importante para nós.Porque, além de poder salvar nossa vida, passa a compartilhar tudo que vimos e sentimos.E em duplas, passamos a ter equipes, e estas passam a ser cada vez maiores e mais unidas.

E assim entendemos que somos todos velhos amigos mesmo que não nos conheçamos.E esse elo que nos une é maior que todos os outros que já encontramos.E isso faz com que nós mais do que amigos, sejamos irmãos.Faz de nós, mergulhadores.

( Jacques Yves Cousteau)
.><((((º>.><((((º>.><((((º>.><((((º>.><((((º>.><((((º>.

Vídeos: MAR e Oceanos (movimente com (setas para baixo e PGDN)

Loading...

Cristina Zunino

(Andando no BLOG (setas para baixo e PGDN)

O BLOG do mergulhador é a total dedicação ao mergulhador, as notícias, os eventos, aos mergulhos e opniões dos mergulhadores.

Levando os oceanos, mares e a vida marinha até você.

Um trabalho feito ao que nós amamos.

Um BLOG , sem fins lucrativos com o objetivo de desenvolver, divulgar, promover e incentivar atividades no mergulho que possibilitem a conservação do meio ambiente e dos recursos naturais.

The BLOG is dedicated to the diver, news, events, to dives and opinions of the divers, taking the oceans, seas and marine life to you.
A work we love.
Diver's blog is a nonprofit blog with the goal of developing, disseminating, and encouraging activities in the diver world allowing the conservation of the environment and natural resources.
Cristina Zunino
PADI-Nr.0712035737 - AOWD

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Biólogo português participa na Global Reef Expedition

João Monteiro irá focar-se na diversidade de algas fotossintéticas associadas a corais

João Monteiro
João Monteiro
João Monteiro, do Centro do IMAR da Universidade dos Açores, foi seleccionado para integrar a equipa principal de investigadores da Global Reef Expedition, uma expedição que irá estudar, ao longo dos próximos quatro anos, alguns dos locais e recifes de coral mais remotos dos oceanos Atlântico, Pacifico e Índico.

A Global Reef Expedition é uma expedição organizada pela Khaled Bin Sultan Living Oceans Foundation (LOF) com um plano científico multidisciplinar mas que tem como objectivo geral“desenvolver trabalho que promova a conservação e preservação de habitats de recife de coral”, explica o biólogo português ao Ciência Hoje.
A oportunidade para o cientista participar nesta missão surgiu, no inicio deste ano, quando foi convidado para apresentar a candidatura ao programa Living Oceans Foundation Fellowships. Este programa internacional de bolsas tem vindo a financiar alunos de doutoramento e investigadores de pós-doutoramento ao longo dos últimos anos. O programa recebe candidaturas de todo o mundo e selecciona um a dois candidatos com base no seu perfil, currículo e plano de investigação proposto. “Depois de ter apresentado a minha candidatura em Março, fui informado da minha selecção no início deste mês para fazer parte da equipa principal da Global Reef Expedition”, conta.

Plano de trabalho

A expedição começou em 2011, período em que se manteve nas Caraíbas, e deverá seguir viagem atravessando o Pacífico e o Índico até chegar ao Mar Vermelho.

A expedição será feita a bordo do navio Golden Shadow
A expedição será feita a bordo do navio Golden Shadow
O plano de trabalho inclui a caracterização, mapeamento e delimitação de recifes recorrendo a detecção remota e equipas de mergulhadores; a caracterização da estrutura das comunidades de coral e avaliação do seu estado de saúde; e diversos outros planos específicos que procuram melhorar o conhecimento sobre mecanismos chave da biologia e ecologia destes complexos.

Mais especificamente, o objecto de estudo da expedição centra-se num tipo de micro-algas que residem no interior dos corais e das quais eles dependem. “O sucesso dos corais e as estruturas imponentes que eles criam dependem, em grande parte, destas pequenas algas dinoflageladas do gébero Symbiodinium. A relação mutualística entre coral e alga beneficia ambos os organismos: os corais obtêm energia necessária para a sua sobrevivência e formação do esqueleto calcário que forma o recife e as algas obtêm protecção e compostos necessários à fotossíntese (produtos das respiração dos corais)”, explica João Monteiro. Na realidade, “as algas satisfazem até 90 por cento das necessidades energéticas dos corais e sem elas os corais dificilmente sobrevivem”, sublinha.

Segundo o cientista, existe uma série de factores que promovem stress e a dissociação da relação entre algas e corais. Nestes casos, os corais expelem as algas e perdem a coloração, um fenómeno chamado de bleaching(lixiviamento) por revelar o esqueleto branco dos corais. Um dos factores de stress mais conhecido por promover a perda das algas é o aumento de temperatura. “O aquecimento das águas tem vindo a provocar eventos de bleaching e a morte de vastas extensões de recife de coral”, alerta.

O plano de trabalho inclui a caracterização, mapeamento e delimitação de recifes (Foto: Romina – Cabo Verde Diving)
O plano de trabalho inclui a caracterização, mapeamento e delimitação de recifes (Foto: Romina – Cabo Verde Diving)
Uma vez que as algas apresentam uma elevada diversidade (genética) e que diferentes tipos de algas conferem diferentes níveis de tolerância a factores de stress, o objectivo do biólogo é, assim, “mapear a diversidade deste tipo de algas em espécies chave (de coral) e tentar perceber de que forma essa diversidade está associada à geografia, a condições ambientais, a eficiência fotossintética, entres outros”. Com isto, a equipa do Global Reef Expedition espera “identificar zonas mais tolerantes e zonas mais susceptíveis a alterações ambientais e entender melhor os mecanismos associados a esta relação simbiótica e à diversidade de algas”, diz João Monteiro.

Novas valências e oportunidades

Apesar de Portugal não possuir nenhuma zona de corais tropicais, esta expedição é importante para o país por várias razões. A primeira “prende-se com o facto de os habitats de recife de coral serem um património mundial e não de um ou outro país. Cada vez mais se reconhece a interligação dos habitats e ecossistemas e, tal como as florestas tropicais no meio terrestre, a conservação de ecossistemas marinhos tropicais deverá ser essencial para o funcionamento e ‘saúde’ dos oceanos”. A segunda relaciona-se com “o facto de trazer novas valências e oportunidades de investigação para investigadores do Centro do IMAR da Universidade dos Açores”. Na realidade, como afirma João Monteiro, “a maior parte dos países ou locais com vastas áreas de recife de coral não possuem muitos meios logísticos, de pessoal e financeiros para produzir ciência. A grande maioria da investigação associada a recifes de coral é realizada fora dos trópicos, onde não há recifes de coral. Os investigadores deslocam-se até aos locais de estudo e, depois de realizado o trabalho de campo, regressam para os seus institutos”.

A bordo do Golden Shadow
O Golden Shadow é um navio de 67 m equipado com instrumentos de navegação e comunicações tecnológicos avançados, laboratórios secos e húmidos, diversas embarcações e instalações com câmara hiperbárica para apoio a trabalho de campo e mergulho. Com capacidade de receber até 24 cientistas, o Golden Shadow proporciona excelentes condições operacionais e técnicas.
Para o investigador, esta expedição revela que “a qualidade da produção científica nacional é competitiva e reconhecida a nível internacional”. E sublinha: “Esta oportunidade permite a possibilidade de participar numa expedição única que cobre uma vasta área geográfica a partir de uma excelente plataforma e com uma equipa alargada e multidisciplinar”.

João Monteiro está, no momento, a terminar a tese de doutoramento sobre a estrutura de comunidades de coral de Cabo Verde e a diversidade de algas Symbiodinium. Em Janeiro deve visitar a Universidade do Algarve para uma acção de ‘treino’ na manipulação e operação de um aparelho que permite estimar a eficiência fotossintética de algas debaixo de água. Durante esta visita deverá ser ainda discutida a possibilidade de colaboração e de investigação complementar ao trabalho que o cientista irá desenvolver na Global Reef Expedition.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

SOU Baby no MERGULHO começando agora ....

Perguntas e Respostas: Sou baby no mergulho

Fotografia SUB

Good TIMES

Preservando o MAR

Divirta-se

Laje de Santos ILV preservar!

Pacific Ocean Expedition - Daniel Botelho

Marcelo Krause e Kurt Amsler

72 metros -Carol Schrappe 2010

Adair Ribeiro Corveta V17

Naufrágio-Corveta ipiranga V17

Daniel Botelho

Daniel Botelho
Daniel Botelho

David Doubilet

David Doubilet
David Doubilet

FILMES :Mares e Oceanos

01- Mergulho Radical 2: o recife
02- Sharkwatwer
03- Imensidão Azul (1988)
04- A Esfera
05- O Fundo do Mar
06- O Mundo do silêncio (1956)
07- The Cave
08- O segredo do abismo
09- Expedições Fluviais
10- A Odisseia de Jacques Cousteau
11- A marcha dos pinguins
12- Homens de honra
13- Coleção Blue Planet
14- Coleção PLaneta Terra
15- A Ilha dos Golfinhos
16- Expedicao Brasil Oceanico
17- Tubarão
18- TITANIC da NATGEO
19- Um tesouro de amor (Fool’s Gold)
20- Lost City Raiders
21- Mergulho Fatal (2009)
22- Mar de fogo
23- Ocean Men
24- Sea Hunt (aventura submarina)
25-
The Greater Meaning of Water